Ignição eletrônica no distribuidor original

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Medindo a taxa de compressão do motor VW a ar

Escrever posts com uma pegada um pouco mais técnica é sempre muito legal. Como existem muitas páginas e canais do Youtube que falam sobre manutenção automotiva, é sempre muito bom encontrar alguma forma de somar com os excelentes conteúdos que já existem. No post de hoje pretendo falar algo que vai além de números que expressem uma taxa de compressão, mas sim sobre uma técnica que é praticamente padrão quando precisamos medir este parâmetro do motor. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Para seguir o blog é necessária apenas uma conta do Google, coisa que todo mundo tem hoje em dia. Além disso, a sua direita também há um botão para que você possa se inscrever em meu canal do Youtube, onde muitas novidades aparecerão em um futuro muito breve para somar com alguns vídeos que lá já existem. Clicando nesses botões e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo e mais pessoas possam conhecer todo o conteúdo que é postado aqui para todos aqueles que, assim como eu, são apaixonados pelo fantástico mundo do antigomobilismo com admiração pelo incrível universo dos Volkswagen refrigerados a ar.
Para que um motor a combustão funcione da melhor maneira possível, muitos fatores precisam trazer resultados satisfatórios. Um bom sistema de ignição é necessário para que a centelha venha na melhor eficiência possível no tempo correto, um sistema de injeção para que o combustível seja pulverizado na hora certo e na dosagem correta, um sistema de lubrificação eficiente de modo que os atritos sejam minimizados e as partes móveis tenham maior vida útil e também uma taxa de compressão ideal para o projeto. Logicamente muitos outros fatores são importantes para um motor, mas no post de hoje falaremos um pouco sobre taxa de compressão, ou melhor, no que ela implica e também como esta pode ser aferida.
A taxa de compressão é uma forma de se mostrar o quão o combustível está sendo comprimido. Você já deve ter ouvido que um "carro X" tem a taxa de compressão de 10:1. Mas o que isso significa? Em um motor que a taxa é de 10:1 como citei no exemplo, significa que a geometria do motor permite que a mistura ar x combustível seja comprimida em um volume 10 vezes menor em relação ao volume nominal do cilindro (com o pistão em PMI). Taxas de compressão muito altas ou muito baixas geralmente nos trazem problemas. Em caso de taxas altas, é muito comum a "batida de pino" dos motores, e em casos de baixa compressão, a falta de um bom rendimento do motor.
Em uma ocasião mais oportuna, quero escrever um post mais detalhado acerca desses assuntos assim como as consequências das taxas de compressão aplicadas aos motores.
O vídeo que vocês veem ao final do post vem lá do canal do Youtube do meu amigo Leandro Coelho. Quem acessa o blog há mais tempo sabe que eu admiro muito o trabalho dele, assim como sua didática e dinamismo. Neste vídeo, o Leandro faz um teste de compressão em um belíssimo MP Lafer que recebeu seus serviços. Infelizmente o diagnóstico não foi o melhor em virtude de necessitar de uma maior não de obra para a resolução do problema, mas o teste é feito por meio de um manômetro exatamente como o Leandro o fez.
Como dica para a aferição da taxa de compressão de motores VW a ar, os motores 1300 e 1500 a gasolina tem taxa de 6,6:1, o motor 1600 a gasolina conta com taxa de 7,2:1 e o motor 1600 a álcool tem a alta taxa de 11:1. Usando o valor da taxa em uma multiplicação por 14,7, obtém-se a pressão em PSI. Desta forma, dá para se saber qual é a compressão média de seu motor sem um tabela de equivalência como a do vídeo caso você não a tenha ou encontre.
Existe também um vídeo do Tonella que mostra muito bem essa técnica.
Veja:



4 comentários:

  1. Então para saber a taxa de compressão desse motor do MP é só pegar um número de uma das aferições desses cilindros e dividir por 14,7 é isso??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. É só fazer a operação inversa. É uma forma para se saber a taxa de compressão (em média) de um motor montado. Lembrando que é legal fazer os cálculos de volume quando se monta um motor para se ter o valor exato.

      Excluir
    2. O volume seria o volume de cada cilindro no caso???

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!