Ignição eletrônica no distribuidor original

domingo, 29 de outubro de 2017

Fusca 1974 do Valdecir: Uma boa história passada de dono a dono

No post de ontem que mostrava o belíssimo Fuscão 1972 Laranja Monza eu comentei brevemente que hoje seria um dia de mostrar mais um Fusquinha simpático para vocês Pois bem, o domingo chegou e mais uma vez teremos um clássico cheio de personalidade e que tem características ao gosto de seu dono. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Para seguir o blog é necessária apenas uma conta do Google, coisa que todo mundo tem hoje em dia. Além disso, a sua direita também há um botão para que você possa se inscrever em meu canal do Youtube, onde muitas novidades aparecerão em um futuro muito breve para somar com alguns vídeos que lá já existem. Clicando nesses botões e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo e mais pessoas possam conhecer todo o conteúdo que é postado aqui para todos aqueles que, assim como eu, são apaixonados pelo fantástico mundo do antigomobilismo com admiração pelo incrível universo dos Volkswagen refrigerados a ar.
É impossível encontrar um carro antigo que não tenha história. Durante todos os seus anos de existência, todo carro clássico ganhou marcas do tempo, acessórios de época e vários detalhes que aparecem em virtude do uso e estilo do dono. O carro a ser mostrado de uma forma breve no post de hoje é um excelente exemplo disso.
As fotos que vocês veem ao final do post foram enviadas pelo amigo Valdecir. Nelas, aparece o Fuscão 1500 1974 dele. Este carro tem uma história muito bacana, visto que o proprietário atual conhece todo o histórico do carrinho. O Fuscão 1500 amarelo foi adquirido em 1974 por seu primeiro proprietário que permaneceu com ele por 7 anos, vendendo-o para o segundo dono que o possuiu até o fim de sua vida, por 35 anos. Após isso, o carro foi vendido a uma pessoa de uma cidade vizinha até o instante que o Valdecir procurava um carro para presentear sua filha que acabara de completar 18 anos, encontrando este clássico e adquirindo-o.
Que belo presente, diga-se de passagem. O carro ainda tem vários detalhes originais, como os bancos baixos e uma grande integridade estrutural. Além disso, ele tem várias marcas que mostram a identidade de todos os seus proprietários, como os parachoques na cor do carro como nos Fuscas Itamar.
Quero agradecer ao Valdecir por enviar as fotos! O papo do Fusca entre ele e meu pai surgiu totalmente ao acaso nesse sábado e acabou virando post. Muito obrigado!
Veja:




6 comentários:

  1. Filhão.... Parabéns de novo!! De fato hoje nesse seu New Post, a surpresa aconteceu quando nos encontrávamos na Loja Ciclo Simi de nossos amigos Cláudio e Marcelo, pai e filho respectivamente, onde você acha quase tudo para sua Bike ( sem.fazer propaganda Kkkkk) e lá estava eu e o simpático Valdecir a prosear sobre bicicletas e outras antiguidades, quando entrou o assunto sobre um carro, mas não um carro comum e sim sobre um.Fusca!!! Daí meu Filhão, que já estava de orelhas em pé, captou a mensagem, e daí o pedido de troca de contato e envio das fotos. A história Taí, contada tal qual veio acontecendo ao longo do Tempo...Achei super legal...Espero que o amigo Valdecir e seus amigos curtam, e passem a acompanhar o blog que vem sempre com postagens incríveis... Valeu Filhão...De novo, Parabéns!! Te amo cara!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo prestígio! Olha o jabá...hahahahahahah

      Excluir
  2. Estranho, pois o Fusca é 1974, mas não tem as orelhinhas atrás dos vidros traseiros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estranhei esse fato. Acredito eu que ele tenha sido fabricado no final de 1973 e vendido no ano posterior...

      Excluir
  3. E o mais estranho é que esse não é o primeiro que vejo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também. É um caso relativamente parecido com o de um Fusca do Gelson, ainda que naquele caso eram as rodas que intrigavam...hehehe

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!