sábado, 1 de julho de 2017

Dois registros coloridos de São Paulo

Eu resolvi publicar essas duas fotos logo no primeiro dia do mês simplesmente por eu ter adorado ambas as imagens e também porque eu as achei perdidas aqui na pasta dos arquivos do blog. Ainda que a fotos não seja da minha época, eu tenho inúmeras lembranças desse lugar que vem totalmente a tona nos momentos que analiso esse tipo de foto. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Para seguir o blog é necessária apenas uma conta do Google, coisa que todo mundo tem hoje em dia. Além disso, a sua direita também há um botão para que você possa se inscrever em meu canal do Youtube, onde muitas novidades aparecerão em um futuro muito breve para somar com alguns vídeos que lá já existem. Clicando nesses botões e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo e mais pessoas possam conhecer todo o conteúdo que é postado aqui para todos aqueles que, assim como eu, são apaixonados pelo fantástico mundo do antigomobilismo com admiração pelo incrível universo dos Volkswagen refrigerados a ar.
Existem algumas coisas na nossa vida que sem dúvidas ficam guardadas em nossa memória. Quando eu era bem pequeno e viajava para o interior com o objetivo de visitar os parentes que lá moravam, muitos deles diziam que eu era um "menino de apartamento", por ter morado bem no Centro de São Paulo por boa parte de minha infância. Mal sabia eu que, alguns anos depois, teria o grande privilégio de mudar-me para o interior e aqui ficar, em uma cidade que já tem características de uma metrópole mas que não abre mão da calmaria de uma cidade interiorana. No entanto, São Paulo além de ser a minha terra natal também tem uma grande importância para mim em virtude de todo o crescimento que me proporcionou. Todas as vezes que eu tenho a oportunidade de ver uma foto como essas, tenho gratidão a cidade que proporcionou que meus pais se conhecessem, que fizessem a vida, que eu possa ter nascido e crescido para estar não só aqui escrevendo esse post mas também sendo alguém que busca crescer na caminhada a cada passo.
As imagens que vocês veem ao final do post, como disse lá no primeiro parágrafo, eu encontrei na minha pasta de arquivos do blog. Por esse motivo, infelizmente não sei quem são os autores ou até mesmo de quem salvei. Nelas, aparecem dois flashs (aparentemente com uma leve diferença de tempo entre as duas) do famoso Viaduto do Chá, em São Paulo. Este lugar algumas décadas depois está bem diferente, mas não perdeu a sua essência. Uma boa lembrança que eu tenho desse lugar era de quando eu tinha mais ou menos uns 5 anos (ou talvez até menos, ou melhor, acho que menos mesmo) e estudava próximo a Praça da Sé e morava do ladinho da Praça da República. De segunda a sexta minha mãe me levava para a escola e, na volta, eu sempre gostava de encostar nas grades do Viaduto para ver o movimento dos carros que entravam no Túnel do Anhangabaú, que ainda não existia quando as imagens aqui postadas foram tiradas.
Nessas fotos, acredito que ambas tenham sido tiradas no começo ou durante década de 70, pois já haviam Opalas, Belinas e Fuscas com os paralamas pós 1973. Dá até para ver um belíssimo Karmann Ghia vermelho montana passando por baixo do viaduto.
As imagens falam por si e são muito nostálgicas.
Veja:



3 comentários:

  1. Eu cheguei a pegar essa época quando eu ia com minha avó para o centro de São Paulo, até hoje tem gente que discute se realmente fazer dessa região um calçadão só para pessoas como é hoje foi realmente uma boa solução, pois pelo menos como estava nessas fotos havia tráfego de carros e de pessoas e o local não ficava tão deserto a noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, faz sentido. Ainda que o túnel seja muito bacana, eu não sei até que ponto influiu na mobilidade urbana dali. Além disso, acredito eu que com carros passando frequentemente a noite a incidência de assaltos poderia ser menor...

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!