domingo, 16 de abril de 2017

Conhecendo a Weber 40 em detalhes

Todas as vezes que nós iremos executar um procedimento, algo primordial é saber um pouco da teoria que o circunda para que o resultado prático sempre seja o melhor possível. No post de hoje, você verá como é montada uma Weber 40 assim como alguns parâmetros de regulagem que podem ser bem úteis para quem quer instalar ou fazer uma limpeza em um carburador maravilhoso como esse. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Para seguir o blog é necessária apenas uma conta do Google, coisa que todo mundo tem hoje em dia. Além disso, a sua direita também há um botão para que você possa se inscrever em meu canal do Youtube, onde muitas novidades aparecerão em um futuro muito breve para somar com alguns vídeos que lá já existem. Clicando nesses botões e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo e mais pessoas possam conhecer todo o conteúdo que é postado aqui para todos aqueles que, assim como eu, são apaixonados pelo fantástico mundo do antigomobilismo com admiração pelo incrível universo dos Volkswagen refrigerados a ar.
Quando alguém pretende melhorar o desempenho de um carro antigo geralmente surge em sua cabeça inúmeras ideias de aplicações de peças que possam atender o seu objetivo. A grande realidade é que a junção do juízo para não gastar demais com o raciocínio no acerto podem lhe trazer um grande prazer ao dirigir. No entanto, muitas vezes nós não encontramos na internet informações centralizadas e objetivas sobre um determinado tipo de componente. O post de hoje pode te ajudar bastante se a sua ideia de performance gira em torno da instalação de uma maravilhosa Weber 40.
A Weber 40 com certeza está entre os carburadores mais cobiçados hoje em dia. O carburador que foi utilizado por vários carros importados e largamente aplicado nos carros de pista no passado ganhou também a admiração dos brasileiros por sua versatilidade. Eu mesmo já vi inúmeras Webers montadas em Fuscas (tanto em configuração simples como dupla), Opalas, carros com motor AP, Alfa Romeo e em inúmeros motores trazendo uma tocada muito bacana se bem acertada. Certa vez eu cheguei até a ver uma Weber 40 rodando no álcool, o que achei bem diferente. Como esse carburador é um projeto e um produto de procedência 100% estrangeira, dificilmente será possível de se achar um manual em português que trate dessas obras de arte. Todo mundo sabe da existência de um manual em inglês que trata sobre, mas algo totalmente traduzido infelizmente não é comum. Desta feita, hoje eu trago para vocês algumas imagens que são, na realidade, diagramas que mostram como todas as peças são montadas e, além disso, todos os códigos para que você possa procurar componentes internos desse carburador em sites estrangeiros, como giclês, venturis, canetas e outros detalhes.
Aqui no blog já existe um post que trata sobre a Weber central em motores a ar com todo o procedimento de instalação, e para os próximos dias estou preparando um post que fala da dupla.
Veja:






9 comentários:

  1. Inclusive, se eu não me engano, os Opalas que correm hoje na Old Stock (recriação da antiga Stock Car de 1979) ainda hoje usam esse carburador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! O Tonella publicou um vídeo dos boxes essa semana!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Assista, meu caro. Aliás, note como é feito o sistema de freios do Opala mostrado no vídeo. A ideia é simplesmente fantástica.

      Excluir
    2. Beleza, eu já vi num programa da Discovery Turbo que hoje eles usam freio a disco nas quatro rodas nos Opala.

      Excluir
    3. Sim. Na maioria das vezes eles usam discos da linha Honda, visto que a furação de vários carros deles é igual a do Opala...

      Excluir
    4. Eu pensava que eles usavam discos do próprio Opala, pois os últimos saíram com freio a disco nas quatro rodas.

      Excluir
    5. Eu não sei se estou correto em meu raciocínio, mas geralmente os Opalas de Stock Car mesmo usando o motor 6cc preparado usava o diferencial do modelo 4cc por causa da relação (o que facilitava as retomadas), então talvez deve ser mais fácil adaptar os discos dos Honda com a pinça de outro carro (da Zafira, se não me engano) do que montar os discos originais dos últimos Opalas...Mas é apenas uma hipótese, não sei se esse é de fato o motivo.

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!