segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Funcionamento de uma dupla carburação SU em um motor VW a ar

Ultimamente estão aparecendo muitos vídeos de carburadores refinados por aqui, acredito que eu esteja dando sorte em achar tudo isso. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um novo post todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Clicando neles e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo mais pessoas conheçam todo o conteúdo que aparece por aqui.
Se eu agrupasse todos os posts que esse blog tem falando de carburação, com certeza este aqui estaria dentro dessa relação de conteúdos. Quando nós enxergamos um motor por completo, compreendendo todo o seu funcionamento, nós conseguimos dar a devida importância que o sistema de alimentação merece. Por esse motivo, hoje esse post vem mostrar mais uma alternativa que você tem para fazer com que o seu motor VW a ar funcione da melhor maneira possível.
Qual carburador se deve escolher para a melhor relação consumo x desempenho? Essa pergunta é muito relativa e a resposta que muitas vezes melhor se encaixa diante da indagação é "depende". É por isso que o momento que você decide qual carburação usar no teu clássico é super importante. Esse post e os demais estão aqui para te dar pequenos parâmetros para que você possa fazer a melhor escolha.
O vídeo que aparece ao final do post vem lá do canal do Youtube do "Rudi VW 77". Neste vídeo ele mostra algo que é bastante incomum em um VW a ar: Uma dupla carburação de venturi variável com carburadores SU. Há algum tempo atrás, eu escrevi um post falando sobre a carburação de venturi variável no Fusca, falando de seu funcionamento, regulagens e das inúmeras vantagens desse sistema tão refinado. Naquela ocasião, eu trouxe um vídeo do Tonella que mostrava seu carburador em detalhes e também o resultado em um motor 1300. Se você busca mais informações sobre o conceito do carburador de venturi variável, com certeza aquele post trará mais instruções.
A forma de funcionamento de um carburador de venturi variável é simples. Resumidamente, é um carburador que conta com um pistão que atua conforme a sua aceleração. Este pistão é montado de maneira oposta ao percurso do ar até o coletor de admissão, ou seja: Se o carburador opera na vertical (como na maioria dos motores), o pistão estará trabalhando na horizontal restringindo ou permitindo a passagem do ar. Desta maneira, a velocidade e o vácuo no coletor de admissão mantém-se praticamente constantes, ajudando no consumo e no desempenho. Com um sistema desses, é praticamente impossível ter falta de combustível em alguma faixa de rotação em específico. Um carro aqui no Brasil que teve carburador de venturi variável foi o Dodge Polara.
Nesse vídeo, a aplicação é um pouco diferente daquele outro post, visto que agora existem dois carburadores alimentando o motor. Como vocês podem notar, o acionamento ficou um pouco diferente em relação ao original: Este conta com cabos para acionar os carburadores, ao invés das varetas utilizadas nos carburadores Solex ou nos varões dos carburadores Weber e de alguns EMPI. Acredito eu até que esses carburadores contem com uma facilidade maior no momento da equalização, visto que com esse sistema se tem somente o parafuso da marcha lenta, geralmente. Os coletores usados são os originais, conforme alguns comentários do vídeo. No entanto, dependendo do carburador de venturi variável que você pretende escolher para uma aplicação dessas, os coletores podem exigir algum retrabalho, visto que geralmente as borboletas desses carburadores são maiores. Uma alternativa nesses casos, ao meu ver, poderia ser coletores de carburadores de corpo simples com borboletas maiores, como os coletores para Solex 40 ou até mesmo de algumas injeções de corpo duplo, por exemplo.
Ao meu ver, um carburador desses em um VW a ar é mais do que suficiente, mas o resultado nesse carro ficou fantástico. Essa montagem pode ser feita, por exemplo, em um motor plano e deve ficar demais.
A Brasília é um show a parte.
Veja:


4 comentários:

  1. Se só tem o parafuso da lenta, assim fica mais fácil ter dupla carburação no Fusca e seus derivados. Só não gostei daquele monte de fios espalhados no motor, pois aquilo é um perigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e isso é uma coisa simples de resolver. O ideal também é tirar toda aquela fita isolante e usar termo retrátil.

      Excluir
  2. Já vi gente aqui no Brasil falando da adaptação do carburador de twist no fusca. Imaginei uma dupla desses carburadores já que são mais acessíveis e de regulagem Ben mais simples como se falou. Imagino que um apenas que originalmente equipa um Twister ou falcon fica fraco pra um motor 1600 já uma dupla me parece mais racional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma dupla dessas de moto de venturi variável deve ficar bacana sim. Acredito eu que depois de uma regulagem fina ele deve funcionar relativamente bem. Há algum tempo atrás eu assisti a um vídeo que mostrava um carburador desses no Fusca. Acredito que uma dupla possa ser uma boa ideia.

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!