terça-feira, 17 de janeiro de 2017

A boa e velha calmaria do interior

É exatamente por imagens como a de hoje (ainda que esta seja pra lá de nostálgica) é que eu não troco mais o interior por nenhuma capital. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Dando essa pequena forcinha você está exercendo uma das melhores maneiras de prestigiar o blog.
Boa parte das pessoas que moram em grandes cidades geralmente vivem em um ritmo muito acelerado, correndo para uma lado e para o outro, trabalhando muito e muitas vezes não tendo tanto tempo para se ter um lazer. Por esse motivo, muitas dessas pessoas quando chegam nas suas tão esperadas férias (quando se tem) querem "fugir" um pouco do universo urbano, movimentado e barulhento. Nesses casos, as pessoas buscam as praias ou as pequenas cidades do interior, sejam elas turísticas ou não.
Nessas viagens, geralmente se fica na casa de algum parente ou de um amigo que more por ali. Caso a cidade seja uma experiência nova, as pessoas procuram as pousadas e hotéis (eu adoro aquelas bem simples) para se hospedarem. Todo esse trabalho é válido por toda a calmaria que o interior oferece.
Uma das melhores coisas que eu fiz na vida, sem dúvidas, foi me mudar para o interior há 11 anos (nesse ano completam 12) após viver tudo o que passou antes no centro de São Paulo, onde nasci e cresci. Como eu não queria um lugar totalmente pacato (para que a vida efetivamente andasse), busquei uma cidade relativamente grande mas ainda muito calma, como Sorocaba e estou muito satisfeito.
A foto que vocês veem ao final do post foi, muito provavelmente tirada na década de 60. O local é uma cidade muito bacana aqui do interior do estado de São Paulo, Batatais. Nela, aparecem inúmeros clássicos dos anos 50 e 60 trafegando por uma das ruas da cidade, como um Karmann Ghia vermelho e duas Kombis corujinhas.
Esta imagem nos mostra que a calmaria do interior felizmente não é de hoje.
Veja:


3 comentários:

  1. E como as cidades naquela época tinham bem mais áreas verdes também.
    Aliás, me lembro quando eu, "caipira de São Paulo", fui pra Caçapava visitar minha irmã e no meio de uma estrada daquelas de terra batida vi um bode ao vivo e a cores, pra quem é "caipira de São Paulo" como eu, isso é um evento, a propósito, quando voltei de lá pra cá, minha vontade era ir pra lá de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nasci e cresci em SP. Quando eu vinha para o interior a passeio quando criança, até brincar na chuva me encantava, visto que cresci morando num apartamento perto da Praça da República.

      Excluir
  2. E centrão de São Paulo é punk, eu trabalhei lá por um ano e meio e sei bem como é.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo!