sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Um comparativo entre compactos dos anos 70

Ao começar a ler esse post, você já pode se imaginar sentado em um cadeira (ou sofá) dentro de um casa ou de uma banca de jornal no final dos anos 70 com uma revista Quatro Rodas na mão. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que todo dia tem conteúdo novo por aqui. Para fazer isso, basta clicar nos dois botões que estão aqui a sua direita. Com certeza essa é uma das melhores formas que você tem de prestigiar o blog.
Há algum tempo atrás eu já queria fazer algum post nesse estilo por aqui, e finalmente chegou o dia que eu estou tendo a oportunidade de publicar. Além do antigomobilismo que eu gosto bastante, algo que eu fico muito ligado também no mundo do automobilismo é com os lançamentos e as opiniões que são expressadas por jornalistas, mecânicos, proprietários ou qualquer pessoa que tenha contato com um modelo de carro. Por esse motivo, eu dei um "jeitinho brasileiro" de fugir da minha rotina e fazer a minha visita ao Salão do Automóvel desse ano e trazer várias (e foram muitas!) fotos aqui para vocês. Com certeza, todo o entusiasta por automobilismo lá dos anos 60, 70 e 80 não pensava muito diferente: A grande maioria deles estava ali ligada em todo e qualquer tipo de novidade em nossa indústria automobilística em busca de conhecimento na área.
Naquela época, ainda não existia o maior meio de informação que temos hoje: A internet. Ou seja, para se saber alguma coisa, ou precisava se buscar algo na literatura, conversar com pessoas experientes ou realmente "rachar a cuca" para saber de algo. Uma das maneiras de se informar era por meio das revistas que tratavam da área automotiva, como a Quatro Rodas, mais do que citada no post de hoje.
Ao final da descrição desse post, eu trago para vocês uma matéria da Quatro Rodas onde é feito um comparativo entre os Fuscas 1300 e 1600, a Brasília, o Chevette e o Fiat 147. Logicamente na matéria foram apontados os pontos positivos e negativos dos modelos. Hoje em dia, é possível ainda considerar alguns dados técnicos apontados ali, e outros acabaram mudando com o tempo em virtude de vários fatores. De qualquer maneira, é uma matéria super legal e mais do que nostálgica.
Veja:


Comparativo: Fusca x Fiat 147 x Brasília x Chevette

Nos anos 70, dois carros da Volkswagen, um da Fiat e um da GM respondiam pela maior parcela de vendas no mercado nacional

9 comentários:

  1. Esse teste é bacana, só que na hora da manutenção o 147 era um terror, pois, os mecânicos não entendiam nada dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Naquela época, muitos deles não sabiam nem ajustar o sincronismo do motor dos primeiros Chevette. Aliás, até os anos 90 os carros evoluíram mais rápido que os mecânicos...hehehe De uns anos pra cá que isso melhorou.

      Excluir
  2. Na verdade a Quatro Rodas nunca gostou do Fusca e já nessa época ela dizia que o Fusca tinha design ultrapassado que ele ficava bem num museu... enfim... só que tem um porém, o 147 que tanto ela idolatrava podia ser um projeto moderno, mas com uma mecânica e um câmbio ruins de dar dó, que na época não tinha UM que não reclamava desse carro, sem contar que mecânico nenhum queria ver 147 na frente, enquanto o Fusca com sua simplicidade mecânica ainda vendia horrores e fazia sucesso absoluto, mas para a Quatro Rodas o 147 era um carro maravilhoso... :P :P :P :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gente começou a olhar torto para o nosso querido Fusquinha quando alguns modelos mais novos chegaram. No entanto, todos aqueles que buscavam a durabilidade e conheciam o projeto (ou que já tinham Fuscas) trocavam de modelo. Meu Pai adora o 147, que foi o primeiro carro dele. Ele sempre me conta que a alavanca de câmbio saía com uma facilidade tremenda...hehehe

      Excluir
    2. Vai ver que era mais fácil a alavanca do 147 sair na mão de quem dirigia do que a marcha dele engatar hehehehehehehehehehehe.

      Excluir
    3. Quando meu pai estava com amigos no carro, ele desrosqueava a alavanca do lugar e ficava com ela na mão, só para assustar os caras..hahahaha

      Excluir
  3. Já imagino o susto, não devia passar uma agulha. hehehehehehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele fazia isso em rodovia...os caras ficavam loucos...hahahahaha

      Excluir
  4. MUÁAÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!!1 :D :D :D :D

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo!