sábado, 3 de dezembro de 2016

Mais uma utilidade das Kombis antigamente

É, eu confesso para vocês que eu adorei essa foto desde o primeiro momento que a vi. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like básico na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira você fica ligado em tudo o que acontece aqui no blog e em todos os conteúdos que são postados por aqui. É tudo rápido, fácil e descomplicado. Os dois cliques estão aqui a sua direita.
Eu sempre costumo dizer aqui que todo carro clássico tem um grande poder de simpatia para com todos que estão próximos dele de alguma maneira. Um carro clássico sempre tem uma história, um detalhe, um dono, uma aparência ou qualquer outras coisa que o faça diferente dos demais. Como antigamente os carros eram produzidos em cores muito mais vivas, a impressão que temos muitas vezes é que carros antigos não são neutros, diferente de muitos carros que temos hoje com cores iguais.
Se pararmos para falar somente de VW a ar, esse quesito de simpatia é mais do que notável. É impossível não notar um Fusquinha que passe na rua, uma Brasília diferente estacionada, aquele Karmann Ghia cheio de charme ou aquela Kombi Corujinha que é uma máquina do tempo do século passado com bons olhos. Aliás, é exatamente das corujinhas que falaremos hoje. A corujinha assim como todas as outras Kombis, com certeza, foram carros pra lá de simpáticos e que, por esse "carisma" apresentado em suas linhas as tornaram mais do que simples utilitários.
Olhando fotos antigas ou até mesmo revirando lembranças de nossa mente, com certeza podemos lembrar de inúmeras utilidades que as Kombis foram submetidas: Ambulância, veículo de carga, carro de frota, viatura, transporte de passageiros, carro particular para grandes famílias e tantos outros fatores. Tudo isso com uma mecânica que já houvera sido consolidada desde, pelo menos, os anos 50: O VW Boxer.
A foto que aparece ao final do post eu encontrei esses dias, postada em um grupo do Facebook. Nela, é mostrada uma Kombi corujinha que, aparentemente, era o modelo de luxo em virtude da pintura "saia e blusa" que pertencia ao SENAC. É muito bacana ver como os anos passaram e as Kombis se mantiveram, de uma maneira ou de outra, nas suas funções, mesmo que em modelos mais novos.
Veja:



2 comentários:

Seu comentário é muito bem vindo!