terça-feira, 29 de novembro de 2016

Um "caracol" VW a ar

Não, eu não estou exagerando no título desse post. Para que você o entenda, basta entendê-lo ao pé da letra. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Com esses dois cliques você fica sabendo de tudo o que acontece aqui na página, que tem conteúdo todos os dias. É rápido, fácil, descomplicado e fica aqui a sua direita.
Nesse domingo eu resolvi dar uma saidinha rápida de tarde para espairecer um pouco a cabeça após horas a fio estudando Física. Nesse rápido passeio, dei um pulinho no Sesc e achei interessante passar pela biblioteca para ler qualquer coisa, apenas para se distrair um pouco. Confesso, fazia bastante tempo que eu não ia até aquela biblioteca, mas foi muito bom "revê-la". Andando entre as prateleiras, eu uma obra que eu li há alguns anos que se encaixa muito com o propósito desse blog que se chama "Viagem ao fim do mundo", escrita por Virginio Cordeiro de Mello (Eu achei um resumo bem bacana da obra neste link). O livro conta a história do próprio autor, que fez uma viagem com sua família de Petrópolis, no interior do Rio de Janeiro até a Patagônia a bordo de uma Kombi. Só este enunciado já me faria interessado em ler esta obra, mas depois de ler as primeiras páginas, logo emprestei o livro para conhecer a aventura. A obra é bastante intimista, o que faz com que tenhamos a impressão de estarmos viajando junto com o autor (coincidentemente, o link que postei diz a mesma coisa, mas é a mais pura realidade).  Na ocasião que li a obra pela primeira vez, eu me lembrava que ao final do livro havia algumas páginas mostrando fotos e outras falando sobre a Kombi, sobre os defeitos apresentados e também sobre tudo o que ele levou sobre a viagem. Aquelas últimas páginas traziam um lado mais "técnico" para o livro que, para mim, entusiasta em mecânica e automóveis, agradou bastante.
Pois bem, quando abri o livro novamente neste domingo, fui logo para o final para reler esses dados. Lá eu vi que a Kombi que ele utilizou na viagem (que era um autêntico motorhome) era montado pela Minimax. Confesso eu que não conhecia essa empresa. Chegando em casa, resolvi pesquisar sobre essa Kombi e gostei muito daquilo que encontrei.
Quando tomei ciência do que essas Kombis ofereceram, não tive dúvidas de que esse conteúdo daria um ótimo post. A Minimax foi uma empresa que fazia a preparação de Kombis Clipper para diversas aplicações, inclusive para motorhomes, modelo este que chamavam de "Caracol". Na empresa, a Kombi recebia um teto mais alto, além de todos os aparatos que um motorhome necessita, inclusive com um banheiro situado próximo ao centro da Kombi, como nas Karmann Ghia Mobil. As Kombis nessa transformação recebiam diversas alterações, como uma passagem entre a cabine e a "casa" além de mudanças que alteravam ligeiramente a estética da Kombi, como retrovisores maiores e pneus montados em rodas de tala bem mais larga bem para fora do carro, exigindo a necessidade de uma espécie de alargador de paralamas. A mecânica era a mesma que de uma Clipper comum dos anos 80: motor 1600 com dupla carburação Solex 32.
Na pesquisa que fiz eu achei diversas fotos de época e inúmeros dados técnicos. Procurando por Kombi Minimax na internet se acha muita coisa. Eu recomendo aos amigos a leitura da obra que citei acima e também uma breve pesquisa sobre esse modelo que sem dúvidas é uma alternativa mais completa que uma Kombi convencional (para quem tem a ideia de montar um motorhome) e mais discreta que uma Karmann Ghia Mobil.
No final do post segue uma propaganda de época e algumas fotos desse exótico modelo.
Veja:










5 comentários:

  1. Recentemente na Fusca & Cia saiu uma Kombi Caracol restaurada, mas já um pouco modificada e sem banheiro pois além do dono não achar necessário por usar o dos campings onde ele para, a Kombi antes era usada como carro de lanches, mas na medida do possível ele conseguiu traze-la de volta a vida com elementos modernos dos dias de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito eu que a maioria das Caracol devem ter sido transformadas em Kombis para outras utilidades com o passar dos anos. Vou procurar essa matéria!

      Excluir
    2. A Fusca & Cia vende as edições antigas no seu site, mas ai a desvantagem é ter de pagar frete é a edição 134.

      http://loja.revistaonline.com.br/online/vitrines/produtos/produto997.asp

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!