segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Pisa no freio, Zé!

Possivelmente você pode ter achado o título desse post um pouco engraçado. Ainda que as imagens possam parecer um tanto inusitadas, com certeza o dono desse Fusca deve ter passado um belo de um susto. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like básico na página do Facebook e de seguir o blog também. Tudo está aqui a sua direita e desta maneira você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog.
Há alguns dias atrás eu tinha visto uma dessas foto em um grupo do Facebook. Quase todas essas imagens são bem populares no mundo do antigomobilismo, mas fazia um bom tempo que eu não as via em algum lugar. Naquela ocasião, eu pensei na hora em fazer um post que tratasse sobre essas fotos e o ocorrido que as circunda.
Eu costumo dizer aqui que todo clássico deve sair, pelo menos uma vez por semana, para "passear" e alegrar seu dono. Colocar um carro antigo na estrada é sempre muito bacana, mas nem sempre o dia tem o seu decorrer como imaginamos. Quando eu falo isso, não é em relação à um carro quebrar, coisa que geralmente é fácil de se resolver principalmente em um Fusca, mas sim sobre o que realmente o destino nos reserva.
As fotos que aparecem ao final do post foram tiradas no ano de 1984, no Rio Grande do Sul. Uma família que era a proprietária desse Fusquinha passeava no intuito de ver uma ponte que havia caído ali próximo de sua casa. No trajeto do passeio, a estrada, no trecho da ponte, tinha essa interrupção onde o motorista conseguiu frear o carro "aos 45 do segundo tempo", deixando as rodas dianteiras suspensas.
O Fusca, de acordo com a fonte, era 1968. Ele evidencia uma época em que os Fuscas geralmente recebiam peças dos Fuscas mais novos, como esse que recebeu rodas com quatro furos, parachoques de lâmina única e a tampa do motor com aletas de ventilação. Este carro é um verdadeiro retrato da grande maioria dos Fuscas dessa época.
Toda a história, inclusive com as fotos da família e o relato do acontecido está disponível nesse link, onde estão todos os créditos das imagens. Felizmente ninguém se feriu e o Fusquinha foi puxado "no braço" para o asfalto novamente.
Veja:



 

8 comentários:

  1. JISUIS!!!!! não deve ter passado uma agulha no "toba" da família inteira quando o Fusca ficou suspenso. :o :o :o :o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qualquer trepidação na ponte ou qualquer fatia do asfalto que cedesse levava o Fusca embora. Interessante é que na situação de emergência tiraram o Fusca no braço...

      Excluir
  2. Era década de 80, naquela época as pessoas botavam a mão na massa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, as pessoas eram diferentes. Meu falecido avó materno uma vez desencalhou um Monza que meu pai teve levantando a traseira no braço...hehehe

      Excluir
    2. Lembro de quando eu era moleque dos meus vizinhos fazendo reparos mecânicos em seus Fuscas.

      Excluir
    3. Eu tenho um tio que tinha um Fusca 1300 amarelo imperial, lembro-me bem de tudo o que ele fazia no carro. Aquele Fusquinha rodou e muito na mão dele.

      Excluir
    4. Isso é que fez do Fusca um dos poucos carros realmente populares, pois além do preço mais ou menos acessível aqui no Brasil, qualquer um podia resolver os problemas mais simples dele.

      Excluir
    5. E mais: 99% dos problemas já tinham uma solução conhecida. Não existia praticamente nenhum problema "misterioso".

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!