segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Os detalhes de um clássico dos anos 70

Quando eu assisti a esse vídeo há alguns dias atrás não tive dúvidas de que iria postá-lo aqui para vocês. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like básico na página do Facebook e de seguir o blog logo abaixo, tudo aqui a sua direita.
Por inúmeras vezes aqui eu disse que os meus modelos preferidos de Fuscas são aqueles fabricados nos anos 60. Aqueles carros tem um estilo que me agrada muito e com certeza eu ainda quero ter um Fusca 1200 um dia. No entanto, muito provavelmente o meu primeiro clássico (que, se Deus quiser não vai demorar muito para ser meu) é proveniente dos anos 70. Por enquanto, não falarei tanto do carro mas tenham a certeza de que se esse negócio for concretizado nos próximos meses vocês verão e por muitas vezes a evolução de um Fusca sendo documentada passo a passo nesse blog. Ainda que eu admire todos os Fuscas e meu gosto seja mais "aguçado" para os exemplares dos anos 60, é indiscutível a importância da década de 70 para a produção dos Fuscas. Aqueles 10 anos que formaram a década de 70 trouxeram muitas pequenas mudanças no Fusca que o tornaram, praticamente de maneira ininterrupta, o líder de vendas no mercado.
Naquela época era possível se comprar dois modelos diferentes (principalmente no início da década): O Fuscão 1500, com um motor ligeiramente maior e um acabamento diferenciado, e o Fusca 1300, o modelo de entrada ideal para se rodar na cidade visto o seu baixíssimo consumo. Na década de 70 e nos anos seguintes ainda tivemos a apresentação do motor 1600 no Fusca, motorização que iria ser mantida até o final da produção do carrinho.
Esse vídeo que aparece ao final do post foi hospedado no Youtube pelo Caio Nascimento, onde é mostrado um belíssimo Fuscão 1500 ano 1973 em um excepcional estado de conservação. O ano de 1973 ficou marcado na produção dos Fuscas por alguns fatores, mas principalmente pela mudança dos paralamas dianteiros, que até o ano anterior eram os (belíssimos, diga-se de passagem) "olho de boi". Fora isso, poucas coisas (como a tampa do motor) mudaram naquela época. Este exemplar do vídeo está lindo (e com uma pintura muito bem conservada) e com muitas características originais.
Com certeza vale a pena conferir um Fusca tão íntegro como esse.
Veja:

 

5 comentários:

  1. O Fuscão está um espetáculo, ele só esqueceu de colocar o filtro de combustível e também as abraçadeiras nas pontas de todas as mangueiras de combustível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessas mangueirinhas transparentes (Ou "cristal") o uso de abraçadeiras é indispensável. Quem usa as mangueiras de injeção eletrônica ou as de silicone pode até dispensar o uso delas, mas eu sempre penso que o seguro morreu de velho... Hehehe

      Excluir
    2. Pois é... eu não arriscaria mesmo nessas mangueiras cristal rodar sem as abraçadeiras, pois o motor do Fusca é muito compacto e tudo fica perto de tudo.

      Excluir
    3. Na realidade penso eu que em qualquer aplicação as mangueiras são pra lá de necessárias.

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!