sábado, 20 de agosto de 2016

Desmontagem e montagem do alternador do Fusca e outros VW a ar

Se você chegou ao blog por meio desse post, não se esqueça de deixar aquele like maroto na página no Facebook, aqui a sua direita e também de seguir o blog, clicando no botão existente no canto inferior direito na página, ao lado do arquivo do blog. Posto quase todos os dias e sempre tento trazer conteúdos mesclados e diferentes para a galera que, assim como eu, adora VW a ar.
Hoje em dia nós sabemos que a eletrônica nos automóveis é parte integrante e quase que dominante no funcionamento dos carros, juntamente com o agregado mecânico. Hoje, quando se pega um carro para se dirigir, o painel tem inúmeras luzes de advertência e formas de informar o condutor tudo o que acontece no carro. Todos os equipamentos do carro tem alguma maneira, por mais simples que seja, de te "avisar" que algo está incorreto, se for o caso.
Nos carros clássicos, isso é um pouco diferente. A parte elétrica é super simples e os componentes são poucos. Como eu disse no post sobre a parte elétrica do Fusca há poucos dias, quando se tem um problema elétrico em um Fusquinha ou derivado este pode ser facilmente diagnosticado e resolvido com poucas ferramentas e um pouco de conhecimento. Enquanto o fantástico mundo dos carros modernos lhe traz todas as informações por um meio eletrônico, o fabuloso mundo dos clássicos, falando especificamente da grande maioria dos VW a ar, lhe traz apenas duas luzes de advertência no painel.
A primeira delas é a luz correspondente a pressão de óleo, no canto direito do painel. Ela se acende toda vez que o circuito cujo a lâmpada está ligada é aterrado no bloco do motor, visto que não há óleo fisicamente para abrir o circuito, ou seja "impedir" a corrente de passar.
A outra luz presente no painel dos VW a ar é a luz do dínamo/alternador, que indica se a bateria está ou não sendo carregada. Ele funciona da mesma forma que a luz do óleo. Ela, quando acesa e o motor ligado nos indica que a bateria não está sendo carregada, seja por uma correia rompida ou problemas no dínamo ou alternador. Esse post é especialmente para você que quer aprender ou está com problemas no seu alternador, caso ele não esteja carregando a bateria corretamente. Um dica, antes de tudo: Caso ele não esteja carregando somente na marcha lenta, verifique se a sua marcha lenta não está muito baixa, tornando-se insuficiente para que o alternador faça o trabalho dele.
Os dois vídeos que trago abaixo são mais do que explicativos, quem os gravou e postou foi o Andreo Fialho, que fez um excelente trabalho, ainda que com poucas ferramentas.
Para se tirar o alternador não existe muito segredo: Basta se tirar a capela (ou capa da ventoinha) que é presa por parafusos. Em um Fusca por exemplo, é necessária a retirada da tampa do motor para isso, precisando desligar a luz da placa. Se for em uma Brasília, por exemplo, ela sai sem muito trabalho. Em Kombis eu já vi o pessoal tirar o alternador com o motor no lugar, mas o espaço para isso é mínimo, então tirar o motor, ainda que trabalhoso, pode ser uma alternativa. Outro detalhe necessário é abrir um pouco a abraçadeira do alternador. Com a capela fora, é só soltar quatro parafusos que seu alternador estará na mão.
Fora isso é só soltar a correia e os fios ligados a ele, além dos fios da bobina, que estão, de certa forma, juntos à capela.
Os vídeo ensinam a trocar escovas, rolamentos e os demais componentes do alternador. Uma ótima aula para esse sábado para todos nós, inclusive eu que não conhecia esse alternador tão a fundo.
Veja:



 

3 comentários:

  1. Da hora... acho que no caso de dínamo deve ser diferente o esquema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pretendo fazer um post sobre em breve. Embora seja diferente, acredito que não tenha muito segredo.

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!