quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Fiat Toro e Renault Duster Oroch travam o duelo das picapes excêntricas

Hoje essa matéria foi publicada no Carsale e eu achei bem interessante postar por aqui. No antigo blog, eu geralmente postava matérias assim de sites conceituados sobre automobilismo, e penso que chegou a hora de postar esse tipo de informação aqui também. Embora o blog seja sobre nossos clássicos antigos, é muito válido nos inteirarmos sobre as novidades que aparecem no mundo automotivo e principalmente aquilo que vem integrar a nossa indústria automobilística nacional.
Quanto a gosto, realmente, o design das duas é bem "duvidoso", idem aos preços. Mas a matéria está aí para que cada um extraia da forma mais conveniente pra si sua opinião.

Fiat Toro e Renault Duster Oroch travam o duelo das picapes excêntricas 

 


Quem procurava por uma picape para lazer ou trabalho tinha à disposição apenas os modelos de porte pequeno derivados de carros de passeio ou médio com cabine e caçamba montados sobre chassi. Os primeiros são práticos na cidade, mas possuem espaço bastante limitado para passageiros, enquanto os do outro segmento são robustos e espaçosos, porém, desajeitados no uso urbano.
Para quem deseja fugir desse dilema, o mercado brasileiro apresenta uma solução: uma categoria de picapes de porte intermediário, capazes de transportar cinco passageiros sem aperto e com capacidade de carga próxima da encontrada nos modelos médios. Esse segmento foi inaugurado no final do ano passado pela Renault Duster Oroch, que acaba de ganhar uma rival, a Fiat Toro.


























SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS
Além dos nomes que remetem a bovinos (Oroch é uma estilização de auroque, uma espécie de boi extinta no século XVII), as duas picapes têm em comum a utilização de versões modificadas de plataformas de SUVs. A Renault, como o próprio nome já entrega, é construída sobre a base do Duster, enquanto a Fiat é montada sobre parte da arquitetura do Jeep Renegade.
As picapes também compartilham os conjuntos mecânicos com os utilitários esportivos. A Renault é oferecida com as motorizações flex do Duster: 1.6 de 110/115 cv de potência e 15,1/15,9 kgfm de torque e 2.0 de 143/148 cv e 20,2/20,9 kgfm (gasolina/etanol), com câmbio manual de cinco e seis marchas respectivamente. Mas a Renault já adiantou que uma caixa automática e um sistema de tração 4×4 serão lançados ainda este ano para incrementar a gama da Oroch.


Já a Toro leva sob o capô o motor e.TorQ de 1.8 litro (presente no Renegade e em outros modelos da Fiat), recalibrado para gerar 135/139 cv e 18,8 e 19,3 kgfm (gasolina/etanol). Esse propulsor está conectado a uma transmissão automática de seis marchas. A Toro conta ainda com uma motorização turbodiesel de 170 cv e 35,7 kgfm, disponível com uma caixa manual de seis velocidades (4×2 ou 4×4) ou automática de nove velocidades (sempre 4×4).
A BRIGA É BOA
Embora a picape da Renault ainda não tenha uma variante com câmbio automático, neste comparativo levamos em consideração o preço inicial acima dos R$ 70 mil e a motorização bicombustível para confrontá-la com o modelo da Fiat. Sendo assim, a versão topo de gama da Duster Oroch, a Dynamique 2.0 (parte de R$ 72.400) enfrenta a configuração de entrada da Toro, a Freedom 1.8 A/T (oferecida por R$ 76.500).


Ambas são equipadas com os obrigatórios airbags frontais e freios com ABS (antitravamento), além de encostos de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes do banco traseiro, ar-condicionado, computador de bordo, sensor de estacionamento traseiro, vidros e travas com acionamento elétrico nas quatro portas, volante com regulagem de altura (a Toro conta ainda com ajuste de profundidade), tomada 12 Volts e piloto automático.
Em termos de segurança, a Toro leva vantagem por sair de fábrica com controles eletrônicos de estabilidade e tração e assistente de partida em rampas – itens que a Renault não oferece nem como opcional. Além disso, a picape da Fiat conta com direção elétrica ante a de assistência hidráulica da rival. Por outro lado, a Duster Oroch Dynamique 2.0 é equipada com rodas de liga leve de 16 polegadas (a Toro Freedom é calçada por rodas de aço), pneus de uso misto, faróis de neblina e uma central multimídia com GPS e tela sensível ao toque mais completa que o rádio Connect da rival. No entanto, os equipamentos de conectividade de ambas são dotados de Bluetooth e entradas AUX e USB.


A Toro que aparece nas fotos deste comparativo conta ainda com uma série de opcionais – rodas de liga leve de 16 polegadas (R$ 1.560), teto solar elétrico (R$ 3.630) e pacotes Pleasure 1 (R$ 1.970) e Pleasure 2 (R$ 1.660), que adicionam itens estéticos e de conveniência – que elevam o seu preço a R$ 85.320.
Enquanto a Duster Oroch herdou a aparência mais rústica do SUV Duster, a Toro ostenta um visual mais futurista. A picape da Fiat chama a atenção, principalmente, pelo conjunto óptico frontal dividido em quatro elementos e pela grade em formato de boca. O modelo também é mais imponente que o concorrente por ser superior nas medidas (confira na ficha técnica abaixo): são 4,91 metros de comprimento contra 4,69 m da Duster Oroch; 2,99 m de distância entre-eixos ante 2,82 m.


Essa vantagem nas dimensões pode fazer a diferença na hora de transportar cargas maiores, pois a caçamba da Toro tem capacidade de 820 litros, enquanto a da Duster Oroch leva 683 litros, de acordo com os dados das fabricantes. Mas as duas picapes têm capacidade de carga útil de 650 quilos (as versões a diesel da Toro levam até uma tonelada).

Ao volante da Toro ou da Oroch o motorista se benefica de uma posição de guiar elevada, que favorece a visibilidade, típica das picapes e dos utilitários esportivos.

Por outro lado, a dirigibilidade da dupla não se parece com a de uma picape. E isso é bom. As estreantes são equipadas com suspensões independentes nas quatro rodas – dianteira do tipo McPherson e traseira multilink -, que tratam bem os ocupantes, garantindo um rodar confortável, sem pulos ou sacolejos excessivos, como acontece com a maioria das picapes. Além disso, a adoção desses conjuntos de suspensão garante estabilidade elogiável nas curvas para ambas, embora sejam veículos com centro de gravidade mais elevado.

Na hora de realizar uma manobra, a picape da Fiat pode ser mais desajeitada devido ao seu porte mais avantajado, mas a direção elétrica facilita a tarefa, enquanto que ao volante da Oroch, dotada de sistema hidráulico, é necessário um pouco mais de esforço.

Quando o assunto é a aceleração, porém, a Oroch sai na frente já que é mais leve (1.356 kg, ou seja, 273 kg a menos que a rival) e equipada com um motor mais potente que o da Toro (1.619 kg). De acordo com a Renault, a picape leva 10,6/9,7 segundos para ir de 0 a 100 km/h e chega aos 178/186 km/h de velocidade máxima. Já o modelo da Fiat precisa de 12,2/12,8 segundos para atingir os 100 km/h e tem velocidade final de 172/175 km/h (gasolina/etanol).


Se no visual externo as duas picapes exibem propostas distintas, no interior da cabine as diferenças de estilo ficam ainda mais evidentes. Mesmo a Fiat Toro sendo mais simples que o irmão Renegade em termos de acabamento, o interior conta materiais de qualidade superior e soluções voltadas para garantir melhor ergonomia. Já a Oroch traz do utilitário Duster alguns vacilos nesse sentido, como o botão de controle dos retrovisores externos, localizado sob a alavanca do freio de mão e alça que regula a altura do banco do motorista situada em um estreito vão entre o assento do banco e o painel da porta. Além disso, a tela da central multimídia força o motorista a desviar o olhar para baixo.
Fiat Toro e Renault Duster Oroch, embora tenham propostas diferentes de estilo e algumas características distintas, buscam conquistar o mesmo consumidor: aquele que busca um veículo com dirigibilidade próxima a de um carro de passeio, o conforto de um utilitário esportivo e a versatilidade de uma picape. Os dois únicos players do recém-descoberto segmento brasileiro de Picape Utilitária Esportiva têm todos os elementos para conquistar não só os compradores das versões topo de linha das picapes pequenas (como Fiat Strada e Volkswagen Saveiro) como também atrair donos de carros de outros segmentos. E se a moda pegar por aqui, é possível que novas picapes com alma de SUV apareçam em breve. Apostas?

Fonte: Clique aqui! 

Para quem gosta de números, após o final da matéria, no próprio site do Carsale há um comparativo entre as fichas técnicas. Boa leitura!
 










 

Um comentário:

  1. Na boa... eu não sou aquele fã xiita de carros antigos que é radicalmente contra carros modernos, mas eu não pagaria quase "80 mil chinelos" por nenhuma dessas picapes nem se eu tivesse, uma é derivada de um utilitário esportivo da Dacia romena que é vendido somente aqui no "reino da bananolândia" como Renault no maior 171 da paróquia (que brasileiro, só para variar engole) por um preço absurdo, o outro é uma coisa horrenda feia pra ca#alho que parece um ser que está fazendo força pra c#gar e ambas tem motores apenas suficientes para "empurrar" o carro e nada mais além do que isso. Como eu disse antes, existem carros de hoje em dia que eu gosto, mas essas duas picapes, definitivamente não dá pra engolir.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo!