segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Matéria: As armadilhas do posto de gasolina

Recebi hoje uma matéria vinculada no site Icarros quanto aos serviços oferecidos nos postos de gasolina.
Estou postando aqui até por que há muitos serviços que as vezes não podem ser efetuados, ou que podem causar danos ao seu veículo.
Atenção proprietários de VW ar: Desconsiderem o fato de "completar a água" na reportagem....hehe

"As armadilhas do posto de gasolina

Ao entrar num posto de combustível, os frentistas oferecem vários serviços. Mas cuidado, nem todos podem ser feitos lá.



No posto de combustível, fique atento aos serviços oferecidos. Se você não costuma usar combustível aditivado, ele pode entupir e até queimar a bomba.

Pode parecer rotina, mas uma simples parada para abastecer seu carro no posto de combustível pode colocar o motorista de frente com diversos serviços que não deveriam ser prestados por lá. Confira as armadilhas que estão aguardando por você no posto mais próximo.
Tipos de combustível
iCarros já esclareceu suas dúvidas sobre os tipos de combustível oferecidos no posto e também se vale a pena pagar a mais por gasolina premium. De forma resumida, quando chegar para abastecer, desconfie de preços muito baixos, o que pode indicar combustível adulterado.
Alguns estabelecimentos fazem promoções oferecendo o combustível aditivado pelo mesmo preço do comum. Só tome cuidado com a prática, pois o aditivado irá efetuar uma limpeza desde o tanque do carro até o sistema de injeção. Se você não costuma usar o mais caro, colocar combustível aditivado pode fazer com que as partículas se desprendam e acabem por entupir e até queimar a bomba de gasolina do veículo.
Completar o óleo
“Quer ver o nível do óleo?”, a pergunta é bem comum e a resposta é ainda mais simples: não. Posto não é lugar para se medir corretamente o nível do óleo, principalmente se o piso não for plano. A aferição não é correta na vareta do motor com o carro desnivelado. 
Além disso, ao parar no posto e desligar o carro, leva-se um tempo até que todo o óleo chegue ao cárter. Sendo assim, só é possível saber exatamente o quanto há no motor após alguns minutos com o propulsor desligado. Se a medição for feita antes disso, a vareta pode acusar pouco óleo, embora não esteja faltando lubrificante. O perigo aqui é colocar óleo demais no motor, o que o fará trabalhar com uma pressão maior, danificando as peças internas e os retentores.

Completar o fluído de freio
O sistema de freio é item de segurança e com ela não se brinca. Todo o circuito hidráulico de seu carro é selado, então o nível do fluído só cai em duas situações: quando as pastilhas, sapatas ou discos estão desgastados e precisando de troca ou quando há um vazamento na tubulação. Em ambos os casos, quem tem que avaliar o problema é um mecânico de confiança e não o frentista, por mais que esteja bem intencionado. E mesmo se for apenas para fazer a medição do nível, procure pisos nivelados para não obter uma leitura errada.

Água do radiador
As tampas dos reservatórios de água dos carros possuem o aviso “não abrir quando quente” por um motivo: o motor trabalha com temperaturas próximas a 100ºC e a água que circula dentro do propulsor absorve o calor. Nesse processo, ela se expande e pressuriza.
Para medir a quantidade de líquido de arrefecimento, piso nivelado e motor frio. Com o propulsor quente, a referência do reservatório irá mostrar mais água do que o real. Além disso, ao abrir a tampa, o liquido evaporado que fica dentro do vaso irá sair com forte pressão e temperatura, podendo até causar queimaduras na pele.

Calibragem
O frentista oferecer o serviço de calibragem (que você mesmo pode fazer, aliás) não é problema. Só passa a ser perigoso se o profissional não lhe perguntar o quanto de pressão vai em cada pneu. Nada de “ah, geralmente nesse carro eu ponho 30 libras”.
Cada carro tem uma calibragem e ela varia se o carro está cheio ou vazio e até se o uso for urbano ou rodoviário. A informação correta está no manual do proprietário do veículo.
Outra dica é não calibrar os pneus após já ter rodado muito com o carro. Com o atrito no asfalto, a borracha esquenta e, por consequência, a temperatura lá dentro sobe e o ar se expande, aumentando a pressão. Então fazer esse serviço após chegar de uma viagem, por exemplo, é impreciso. Procure efetuar a calibragem assim que sair de casa, num posto próximo.
Água do lavador do para-brisas
O menos crucial dos itens até agora, a água do lavador do para-brisas não vai complicar sua vida se estiver com o nível muito alto ou muito baixo. No último caso, o único perigo é queimar a bomba que leva o líquido até o vidro dianteiro. No posto, cheque se a água que será colocada no seu carro não está com detritos, que podem entupir tanto a bomba quanto os dutos do sistema."

Fonte: Clique aqui!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem vindo!