quarta-feira, 21 de março de 2012

Perua VW Space Cross i-Motion é modesta e equilibrada.

Um tremendo carrão, como todos os VW!

Perua VW Space Cross i-Motion é modesta e equilibrada.


De modo bem discreto, o Volkswagen Space Cross se infiltrou no mundo dos modelos com apelo aventureiro. O termo “discreto” tem certa ambiguidade, pois serve para quando falamos do design da carroceria (desenho mais reservado para um carro que tem inspiração nos off-roads) e sobre o mercado (foram 295 unidades emplacadas contra 1.011 do Fiat Palio Weekend Adventure, na primeira quinzena de fevereiro, de acordo com a Fenabrave - Federação Nacional  da Distribuição dos Veículos Automotores).


             Baseada na Space Fox, perua de visual off-road mantém visual discreto (Fotos: Divulgação)

Sua primeira aparição foi em agosto do ano passado ao se apresentar como irmão da perua Space Fox Sportline. Como gêmeos não idênticos, eles são bem parecidos no visual e trazem quase a mesma lista de itens de série. A principal diferença entre os modelos é o preço (cerca de R$ 3 mil a mais pela versão caçula, quando comparadas as opções automatizadas), que tenta se justificar pela suspensão mais elevada e pelos apliques diferenciados no acabamento da carroceria, como molduras pretas nas caixas de roda e frisos nas laterais.
Em uma linha com duas configurações disponíveis, a manual e a automatizada, ambas com motor 1.6 bicombustível de 104 cv, levamos a com câmbio I-Motion para passear. Como em todos os modelos deste segmento, logo de cara já se percebe que eles só se vestem com trajes mais ousados, mas que não se atrevem a enfrentar a fundo terrenos embaraçosos. Não é que lhe falta coragem, mas, sim, ferramentas (como tração 4×4 ou como o sistema Locker -bloqueio de diferencial - do Fiat Palio Weekend) para desbravar locais complexos. Por outro lado, a suspensão é digna de elogios, passa por obstáculos sem transferir impactos desagradáveis aos viajantes. E, apesar de mais alta, a Space Cross não deixa a carroceria rolar em curvas.


A suspensão do Space Cross foi elevada em 33 mm na dianteira e 35 mm na traseira, em comparação à do SpaceFox

Fora das trilhas, o modelo de 1.197 kg não nega trabalho e é empenhado em agradar quem está atrás do volante. Por isso, seus 104 cv (quando abastecido com álcool) ficam disponíveis aos 5.250 rpm, já o torque de 15,6 kgfm é entregue aos 2.500 rpm. O câmbio automatizado de cinco velocidades dificulta a parceria com o restante do conjunto mecânico, pois as trocas dão leves trancos, o que acaba atrapalhando toda a desenvoltura do trem de força que quer agir, mas fica dependente da transmissão.
O modelo demora para ganhar velocidade, quando  o condutor precisa apertar o cerco contra o acelerador, de forma rápida, como em situações de ultrapassagens. Falta certo fôlego. Porém, entre os automatizados atualmente oferecidos, este é o que menos decepciona. De 0 a 100km/h, o Space Cross faz em 12 segundos, de acordo com a Volks. No quesito consumo misto, a perua sabe fazer economia, são 9,3 km/l  (na cidade/estrada), segundo a marca alemã.

                                  Space Cross (foto) custa R$ 3 mil a mais do que a Space Fox

A posição de dirigir é fácil de ser encontrada, o ajuste de altura do banco do motorista e a regulagem de altura e profundidade do volante (item opcional por R$ 400) são acertados ao ponto de oferecer conforto durante longas conduções. A boa ergonomia se completa com os comandos que ficam próximos à mão e muitos porta-objetos espalhados pela cabine.  O silêncio a bordo, mérito do eficiente isolamento acústico, torna o ambiente na cabine ainda mais agradável.
O espaço é amplo para a fileira da frente e para de trás, o que resulta em comodidade, garantida pelos 4,18 metros de comprimento, 2,46 m de distância entre-eixos, 1,68 m de largura e 1,59 m de altura. Por ser um carro com foco familiar, seu porta-malas de 430 litros abriga as bagagens sem dificuldade, no entanto, a área fica para trás quando comparada ao rival Fiat Palio Weekend Adventure (R$ 56.570), que tem espaço para 30 l a mais, e o Nissan Livina X-Gear (R$ 56.900), que tem um bagageiro de 449 l. Ambos os concorrentes são oferecidos com motores maiores e mais potentes. A perua da marca italiana é equipada com trem de força 1.8 l, automatizado (5 velocidades) de 132 cv e o modelo da montadora japonesa traz também propulsor 1.8 l automático (4 marchas) de 126 cv.


                                  Perua tem sensor de estacionamento na lista de itens de série


Cerca de R$ 5 mil mais caro do que seus inimigos, ele tenta se justificar para o consumidor, com a vantagem, por exemplo, de vir com sensor de estacionamento (útil em veículos deste porte), oferecido por R$ 639 no Palio Weekend Adventure e por R$ 350, como acessório, no Livina X-Gear. Por chegar como retardatário neste segmento, ele poderia trazer outros diferenciais para tentar compensar o preço e atrair mais clientes.


                                                       Fonte: Clique aqui!


domingo, 11 de março de 2012

Um sorriso não faz mal a ninguém...

E, complementando ao titulo, pelo contrario, faz muito bem!rsrsrsrs


Encontrei essa foto no blog do Flavio Gomes, colecionador de carros antigos e comentarista da ESPN Brasil, e, achei interessante postar por aqui.
Esse recado agora é para voce que está restaurando seu carro, não importa qual seja: Se voce estiver com dificuldades em peças, mecanicos, preços, e, começar o desgosto em relação ao seu carro, abre o blog e ve essa foto, e, volte a sorrir para esse trabalho que é digno de quem gosta.

Sp1 e Sp2: de 1600 a 1700 emoções por passeio....

Pessoal, todos nós, apaixonados pela Vw conhecemos o Sp2.

Um carrinho baixinho, veloz se tratando de sua epoca e motor, e, cobiçado ao extremo pelos jovens foi fazendo historia...
A principio existia somente o SP1, com motor 1.600, e, por consequencia, anos depois, o Sp2, com motor 1.700...
Um dado pouco divulgado era a existencia de um kit com peças para a transformação do motor 1.600 do SP1 para o 1.700 do SP2, procedimento levemente parecido com a preparação dos motores Lada (1.6 para 1.7).

Aí vão algumas fotos bemmm bonitas desses esportivos brasileiro que virou raridade no exterior!













segunda-feira, 5 de março de 2012

Michel Teló: O brasileiro que foi visto pelo mundo...

Pessoal, agora, vamos falar um pouco de musica!rsrsrs


O Brasil vem, nos ultimos anos, se destacando com sua musica eclética e que traz animação e romantismo numa, em sua maioria das vezes, excelente melodia/roupagem....
Um dos cantores em que se mais fala no mundo e se encontra em seu apice do Brasil é Michel Teló...
Mas, quem seria esse jovem de 21 anos que conquistou o Brasil desde o grupo "Tradição"?
Essa pergunta é facil a todos aqueles que acompanham a sua carreira: Um cara humilde e simpatico, e, que consegue administrar e coligar o sucesso com a amizade que tem com os fãs.
O video acima mostra sua musica de trabalho, de nome "Humilde residencia", trazendo, mais uma vez, seu tradicional estilo desde o inicio de sua carreira.

Mas, a musica que ele apareceu nas paradas de sucesso foi esta, de nome "Ai se eu te pego", que ganhou versões em diversos idiomas.

 
E, além  destas, temos participações dele em shows, outras musicas de seu primeiro e segundo album vão de presente na postagem!
 
 
 
 
 
 
 

Chevrolet Veraneio, contribuição do internauta.

Pessoal, felizmente, o nosso blog tem diversas contribuições de internautas, desde, o antigo blog Fusca & Musica.
Dessa vez, meu amigo Haroldo, o "Ziriguidum", me mandou essas fotos da Chevrolet Veraneio que ele flagrou.
Ela está com varios itens originais, além, das rodas Mangels, hoje em dia muito raras, pois, a empresa não fabrica mais rodas de ferro.

Olhem as fotos!




Oberservem as rodas Mangels, já citadas anteriormente!